Sonetos de um tempo em que os sonhos e a magia flutuavam em minhas varandas

terça-feira, 8 de março de 2016

Inexorável destino...





Pelo chão, só folhas esparramadas
Etéreas conchas, pelo vento jogadas,
A esmo, pela estrada, seguem voando
Como sonhos , vão se dissolvendo...

Em sarjetas e esquinas espalhadas,
Funéreas visões amareladas,
De formas e cores se alterando,
Como sonhos, vão se desfazendo...

Trilhamos também, estrada só de ida
Como as folhas,  inexorável  destino
Tão definitivo...tão cristalino...

Cabe aceitar e seguir pela vida
Cumpre,  por ela passar, sem  desatino,
Pois a vida é de Deus, presente divino!
(ania)



7 comentários:

  1. É preciso viver, seguir o caminho, acreditando que nunca estamos sós, pois Deus, sempre nos acompanha.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito de seu poema; muito inspirado e bem construído. Parabéns.
    Bom final de semana, Ania.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. A arte do soneto, é uma arte difícil.
    Mas a menina saiu-se bem...
    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga sinto-me feliz sempre que leio um texto teu. Este soneto é divino!
    Bom fim de semana, Ania.

    ResponderExcluir
  5. Lindo soneto.
    Aproveito para desejar uma Páscoa muito Feliz.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  6. Acróstico

    Aqui, você acha talento
    Nos meandros desses versos
    Induzindo-me ficar atento
    Atraído, neles submerso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei o Acróstico, poeta Jair...muito obrigada!!!

      Excluir